Numerar a Letra Ibérica

O Projecto ENTRIB – Entremezes Ibéricos & Teatro Breve

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51427/com.jcs.2022.0030

Palavras-chave:

Teatro breve, Plataforma Digital, Tradução, Edição, Catálogo, Livro

Resumo

Mais do que uma mera ferramenta de trabalho, o desenvolvimento das Humanidades Digitais permite o (re)conhecimento e a disseminação de informação que corre o risco de esquecimento. O dispositivo ENTRIBEntremezes Ibéricos & Teatro Breve recupera uma parte desse património, na confluência entre culturas ibéricas, não só através da organização do corpus do teatro breve, mas também pela sua edição, com foco particular na comparação entre os mesmos textos em diversas línguas da Península Ibérica. Para tanto, desenvolveu-se uma plataforma digital, que inclui um catálogo, que se pretende exaustivo, do teatro breve peninsular dos séculos XVII e XVIII e, ao mesmo tempo, apresenta edições de alguns desses textos. O projecto não descurou, simultaneamente, as edições em livro dessas peças, que não são, portanto, substituídas pela plataforma. Neste artigo far-se-á uma breve apresentação do projecto, a par de uma reflexão sobre as bases teóricas que o sustentam, especificamente no que aos Estudos de Tradução diz respeito, tendo em conta as especificidades dos séculos XVII e XVIII e dos próprios textos de teatro breve.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Andresa Fresta Marques, Centro de Estudos de Teatro, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Andresa Fresta Marques é investigadora do Centro de Estudos de Teatro da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Portugal. Licenciada em Estudos Artísticos e Mestre em Crítica Textual pela FLUL com uma dissertação intitulada “Entre a Versão e a Variante: Casos Exemplares de Entremezes Portugueses dos Séculos XVII e XVIII — Edição e Estudo”. É atualmente Bolseira de Doutoramento FCT em Estudos Portugueses e Românicos na mesma faculdade, encontrando-se a desenvolver uma tese sobre a figura feminina nos entremezes portugueses dos séculos XVII e XVIII.

Ariadne Nunes, IELT - FCSH, Universidade Nova de Lisboa

Ariadne Nunes (doutoramento em Estudos de Literatura e Cultura, Estudos Comparatistas, 2014) é bolseira de pós-doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia, integrada no IELT, da Universidade Nova de Lisboa, Portugal, com o projecto “O Conselheiro Aires e o problema do livro em Machado de Assis”. Faz parte da Equipa Camilo, do Centro de Linguística da Universidade de Lisboa. Integrou a equipa responsável pela Edição Crítica da Crónica de D. João I - Parte I, de Fernão Lopes (IN-CM 2017). É editora de vários livros, entre eles, Genetic Translation Studies: Conflict and Collaboration in Liminal Spaces (2021), com Marta Pacheco Pinto e Joana Moura.

José Camões, Centro de Estudos de Teatro, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

José Camões é investigador principal da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e docente do programa de pós-graduação em Estudos de Teatro. Doutorado em Estudos de Teatro, é investigador integrado do Centro de Estudos de Teatro da FLUL, onde desenvolve trabalho sobre a história do teatro em Portugal, a edição de teatro clássico português e as Humanidades Digitais. Centra a sua pesquisa sobretudo nos séculos XVI-XIX, assegurando a coordenação científica de vários projectos nas áreas da Edição e da História do Teatro em Portugal, incluindo a edição digital integral do corpus do teatro de autores portugueses dos séculos XVI-XVIII. 

Referências

Arquivo.pt, FAQ. Disponível em <https://sobre.arquivo.pt/pt/ajuda/o-que-e-o-arquivo-pt/#qe-faq-2086>. Acedido a 2 de Julho de 2023

ASENSIO, Eugenio (1971). Itinerario del entremez: desde Lope de Rueda a Quiñones de

Benavente. [2ª edição revisada]. Gredos.

CAMÕES, José (2014). “Comunicação Freirática”, Sinais de Cena, 22, pp. 9-14.

CAMÕES, José (dir.). (2022). Entremezes Ibéricos & Teatro Breve. Disponível em <https://entribericos.com/home/>. Acedido a 2 de Julho de 2023.

CAMÕES, José e José Pedro SOUSA (2018). “Arte nuevo de editar comedias en este tiempo digital”. In Cuadernos AISPI, 11, pp. 15-30.

CAPMANY, Antonio (1776). “Prologo”. Arte de traducir el idioma francés al castellano. Imprenta de Antonio de Sancha, pp. v-xvi. Disponível em <http://hdl.handle.net/11169/6631>. Acedido a 23 de Março de 2023.

Centro de Estudos de Teatro. Disponível em <https://www.ceteatro.pt/missao>. Acedido a 2 de Julho de 2023.

DASILVA, Xosé Manuel (2017). “La traducción literaria entre español y portugués en los siglos XVI y XVII”. e-Spania. Disponível em <http://journals.openedition.org/e-spania/26695> DOI: https://doi.org/10.4000/e-spania.26695 Acedido a 17 de Março de 2023.

GARÇÃO, Correia (1982) [1757]. Obras Completas. António José Saraiva (ed.). [2ª edição] Sá da Costa.

HERCULANO, Alexandre (1909). Opúsculos, tomo IX. Bertrand. Disponível em <https://library2.um.edu.mo/ebooks/b33464303.pdf> Acedido a 23 de Março de 2023.

MARQUES, Andresa Fresta (2021). Entre a Versão e a Variante: Casos Exemplares de Entremezes Portugueses dos Séculos XVII e XVIII - Edição e Estudo. Dissertação de Mestrado, Crítica Textual, Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa.

MELO, D. Francisco Manuel (1999) [1657]. Apólogos Dialogais, Vol. II. O Escritório Ava-rento. O Hospital das Letras. Pedro Serra (ed.). Angelus Novus.

MENÉNDEZ Y PELAYO, Marcelino (1941). Estudios y discursos de crítica histórica y lite-raria, vol. V. Enrique Sánchez Reyes (ed.). Aldus.

NUNES, Ariadne e José Pedro SOUSA (2020). “Nota Introdutória”. Em Francisco de Leiva, El Poeta / O Poeta dom Tristão. Centro de Estudos de Teatro, pp. 5-18.

PAJARES INFANTE, Eterio (1996). “La teoria de la traducción em el siglo XVIII”. Livius, 8, pp. 165-174.

PAZ Y MELIÁ, Antonio (1934). Catálogo de las piezas de teatro que se conservan en el De-partamento de Manuscritos de la Biblioteca Nacional. 2.ª ed. Julián Paz.

ROSA, Marta Brites (2017). António José de Paula: Um percurso teatral por territórios setecentistas. Tese de Doutoramento, Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa.

SABIO PINILLA, José Antonio e María Manuela FERNÁNDEZ SÁNCHEZ (1998). O Dis-curso sobre a tradução em Portugal. Edições Colibri.

SHUTTLEWORTH, Mark e Moira COWIE (1997). Dictionary of Translation Studies. Routledge.

SIMÓN PALMER, María del Carmen (1979). Manuscritos dramáticos de los siglos XVIII-XX de la Biblioteca del Instituto del Teatro de Barcelona (Cuadernos Bibliográficos). CSIC.

SOUSA, José Pedro e Andresa Fresta MARQUES (2021). “The nutcrackers: Iberian varia-tions on a Short Farce”. In Esther Gimeno Ugalde, Marta Pacheco Pinto e Ângela Fernandes (eds.), Iberian and Translation Studies. Literary Contact Zones. Liverpool University Press, pp. 289-308.

VERNEY, Luís António (1746). Verdadeiro Método de Estudar. Oficina de Antonio Balle, I tomo, Carta III.

VITERBO, Francisco de Sousa (2010) [1915]. “A litteratura hespahola em Portugal”. In Xosé Manuel Dasilva (dir.), Perfiles de la traducción hispano-portuguesa III. Edito-rial Academia del Hispanismo, pp. 149-161.

Downloads

Publicado

2023-07-28

Como Citar

Fresta Marques, Andresa, et al. «Numerar a Letra Ibérica: O Projecto ENTRIB – Entremezes Ibéricos & Teatro Breve». Compendium: Journal of Comparative Studies | Revista De Estudos Comparatistas, n. 3, Julho de 2023, pp. 27-44, doi:10.51427/com.jcs.2022.0030.

Artigos Similares

1 2 3 4 > >> 

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.